quarta-feira, 29 de julho de 2009

Porrada na orelha!!!

ASSIM DEFINE-SE O SOM DA BANDA CODE, QUE TEM COMO
FRONTGIRL, A CARISMÁTICA KEDMA VILLAR

A CODE, após 2 anos sem se apresentar, volta ao cenário underground alagoano. A banda é formada por velhos músicos do metal brasileiro que se reuniram de forma despretensiosa para fazer músicas baseadas em antigas e novas influências, e também para relembrar vários clássicos do Death e Thrash Metal desde a década de 80.

A CODE formou-se em 1999 com Kedma Villar nos vocais, Yuri Villar na guitarra, Myro Rodrigues no baixo e Tarcio Rodrigues na bateria. Nos últimos tempos também tem contado com a participação especial de Reges Madureira, que acrescenta mais peso ainda, à vezes nos vocais, às vezes nas cordas. A CODE tocou em Maceió ao lado de bandas como Krisiun, Torture Squad e Malefactor.


O repertório da banda sofre influências explícitas de grandes bandas e estilos do século passado, tais como: Terrorizer, Extreme Noise Terror, Demollition Hammer, Sadus, Carcass e tantas outras. Conta com músicas próprias e faz covers de bandas aclamadas como Brujeria, Entombed, Machine Head e Napalm Death. A guitarra com afinação aberta imprime muito peso junto ao baixo, enquanto a batera, recheada de influências jazzísticas e pedais duplos se alia harmoniosamente às cordas. Kedma faz os vocais característicos do estilo. O resultado é uma consonância de guturais rasgados sobrepostos a riffs rápidos e pesados.
Todos os integrantes já passaram por bandas conhecidas tanto no Nordeste como em nível nacional. Kedma foi baterista do Mortífera (19988 – 1992), Paraíba, considerada a primeira banda de Death Metal feminina do mundo e baixista da polêmica Hóstia Podre(1987 – 1989). Myro era baixista da Avoid (1995-1998), celebrada banda alagoana do final da década passada. Yuri era guitarrista da Behavior(1989-1992), banda paraibana de Death Metal. Tarcio era baterista do Krueger e Nephastus(1987-1992), sendo esta última a mais importante banda do metal paraibano de todos os tempos, que influencia bangers até hoje.

A combinação dessas experiências e a liberdade de estilos, sem radicalismos exacerbados ou preconceitos com os novos tempos, garante um show que agrada aos mais variados amantes do peso. A intenção da banda é celebrar o Rock, sem fronteiras, sem rótulos, transcendendo faixas-etárias, respeitando a todos...mas, é claro, sem perder a peculiar “brutalidade” do som que curtem. CODE é porrada na orelha!!!

Agradecimentos: Kedma Villar.

2 comentários:

Pei Fang Fon disse...

E ai, tudo certo?!!
Bom, falei contigo ontem nn World Rock. [Até sobre uma revista]
E cheguei até aqui. ^_^

Bom, já conhecia a banda Core, até já vi a Kedma em outras situações fora da banda, mas tenho o desejo de vê-la cantar, e pelo o que já ouvi falar é muito boa.

É isso aí, vamos manter contato e no que puder colaborar com o seu blog farei, o que precisar também é só falar.

Super bjus
Pei Fang Fon
Ou me chame apenas de Pói, a princípio fica complicado entender meu nome ^_^
origem chinesa e dá nisso!!!

Anônimo disse...

Vi a Code lá no quartel do rock e gostei muito. O show foi bem agitado...acho que foi um ótimo complemento para essa que promete ser a maior noite de Metal que Alagoas já viu. Anderson Extreme Noise Terror