terça-feira, 2 de novembro de 2010

ROB HALFORD: Carreira solo com muito gás.

ROB HALFORD - GOD OF METAL
Rob Halford aproveita a pausa na agenda do Judas Priest para retomar sua carreira solo. Lançou em agosto um DVD com gravações ao vivo de 2003 e um novo álbum de estúdio mês passado, o intitulado “Made of Metal”, e está fazendo vários shows na América do Norte (alguns no Ozzfest), no Japão e na América do Sul, onde tocou no Chile, Brasil e Argentina.
Halford em São Paulo-Brazil - 24.10.2010.
Apesar de ter dito em entrevistas que não faz muito sentido tocar composições do Judas Priest porque ele está de volta à banda, ele não as deixou de fora do ‘setlist’ do show do Carioca Club neste domingo, dia 24 de outubro.
Mas o foco foi mesmo na carreira da banda Halford. As três primeiras músicas do show foram do álbum “Ressurrection”: a faixa-título que, tem sua introdução tocada em playback, mas é cantada inteiramente de forma bem aguda, o que fez o público agitar muito; “Made In Hell”, mantendo o peso, e “Locked and Loaded”, dando oportunidade para Halford mostrar seus agudos característicos.
“Drop Out”, a seguinte, foi uma surpresa, pois saiu apenas na coletânea “Metal God Essentials”, e deu uma esfriada, porque muita gente não a conhecia. É um show bem menos glamoroso que uma apresentação do Judas Priest, numa casa pequena, que encheu, mas não chegou a lotar.
“Made of Metal” e “Undisputed” foram as primeiras do novo disco a serem tocadas e, pela reação dos seus fãs, agradaram, principalmente a faixa-título, que tem clima de filme de ação e é bem fácil de assimilar. Em seguida, uma do Fight, a primeira banda solo de Halford quando saiu do Judas, “Nailed to the Gun”, que levou os antigos fãs à loucura. Pela reação dos presentes, foi uma pena esta ser a única do Fight tocada nesta apresentação.
“Golgotha”, do álbum “Crucible”, manteve o pique, apesar de ser cadenciada. No início da turnê, havia mais faixas deste disco nos shows, mas agora só esta é tocada, provavelmente para dar mais dinâmica à apresentação. Halford, em seguida, apresentou outra de “Made of Metal”: “Fire and Ice”, também bem recebida pelos fãs.
Rob se comunica bastante com o público, comenta cada música antes dela ser executada. Faz ainda muitas poses, imita estátua e se mostra bem humorado.
Em tempo, a banda é formada por Rob, Mike Chlasciak (um guitarrista talentoso com solos rápidos), Mike Davis (baixo), Bobby Jarzombek (bateria) e o conhecido Roy Z (guitarra). Não é o Judas, mas tocaram “Green Manalishi”, “Diamonds and Rust” (versão elétrica e não a acústica que o Judas tem apresentado) e “Jawbreaker” com competência e este foi o momento mais vibrante da noite. Aproveitando o clima de entusiasmo, Halford emendou outra composição nova, “Like There’s No Tomorrow”.
Rob introduziu a também nova “Thunder and Lightning” como uma mensagem contra o preconceito, seja racial, social ou sexual. A rápida “Cyber World” fechou a parte principal do show, pré-bis.
Halford e banda em São Paulo, casa cheia e muito Heavy Metal.
Halford voltou, com a bandeira do Brasil nas costas, para tocar “Heart of a Lion”, outra canção inesperada, porque saiu apenas na coletânea do Judas Priest, “Metalogy”. Em certo momento, alguém da platéia jogou uma camiseta do Dio na cabeça de Rob Halford, que homenageou o saudoso vocalista, mostrando a camiseta para todos. “Saviour” fechou um show de noventa minutos para headbanger nenhum sair insatisfeito.


Fontes: ROL\Fotos: Coredump 

Um comentário:

Carelis disse...

Foi um show pra niguém botar defeito, afinal eu estava lá né.... Valeu...